Conteúdo

Home

História Geral

História do Brasil

Atualidades

Cultura

Biografias

Curiosidades

 

Cronologia

Brasil

Mundo

 

Calendário

Datas Comemorativas

 

Links

Enem

Fuvest

Prouni

Mec

Une

 

 

 

 

 

 

 

Biografias

Antônio Conselheiro

Antônio Vicente Mendes Maciel, era filho de um pequeno comerciante. Nasceu em Quixeramobim, no Ceará, em 1828, não se sabe o dia nem o mês. Aos seis anos ficou órfão de mãe.  Estudou aritmética, português, geografia, francês e latim.  Gostava de ler. Uma de suas leituras preferidas eram as aventuras do Imperador Carlos Magno e os Doze Pares de França, adaptações populares de lendas da Idade Média.

 

Perdeu o pai aos 27 anos. Passou então a cuidar do armazém da família, com o qual sustentava suas quatro irmãs. Ficou só dois anos à frente do negócio, pois casou e passou a dar aula numa escola de fazenda.

 

Graças ao que aprendera na escola e sobretudo a seu esforço pessoal, tornou-se escrivão de cartório, solicitador (encarregado de encaminhar as petições ao Poder Judiciário) e rábula (advogado sem diploma).

 

 Em 1861, depois de ter sido abandonado pela mulher, começou a andar pelo Nordeste, reformando igrejas e cemitérios e pregando o Evangelho, o que atraiu muitos camponeses. Como dava conselhos baseados em mensagens religiosas, ficou conhecido como Antônio Conselheiro

 

 Em 1874, Conselheiro fundou o Arraial Bom Jesus, a 217 km de Salvador. Conselheiro incomodava os grandes proprietários de terra, que perdiam empregados que o seguiam, e o clero, que não tolerava um leigo como portador da palavra de Deus.

 

 No ano de 1878, uma grande seca atingiu o sertão, matando milhares de pessoas de fome. Antônio Conselheiro, percorreu as regiões afetadas pela seca para socorrer os flagelados. Passou a ser considerado um santo, aumentando o número de pessoas que o acompanhavam.

 

Em 1893, ao passar pela cidade de Bom Conselho, Antônio Conselheiro mandou arrancar e queimar as ordens de cobrança de impostos, coladas nos postes da cidade.

 

Além dos latifundiários e da Igreja, Conselheiro ganhou a inimizade das autoridades do governo republicano.

 

Foi nesse mesmo ano que o grupo do Conselheiro chegou a uma fazenda abandonada às margens do rio Vaza-Barris, numa afastada região do norte da Bahia. Lá surgiria o arraial de Belo Monte, mais conhecido como Canudos.

 

Rapidamente o arraial se transformou numa verdadeira cidade. Cerca de 3 mil pessoas viviam no arraial. Na maioria, eram sertanejos típicos - pobres, pardos e analfabetos. O estilo de vida do arraial atraía os miseráveis do sertão e desafiava o poder dos coronéis. A repressão não demorou.

 

Entre 1896 e 1897, houve três tentativas de arrasar o arraial.  Os sertanejos enfrentaram as bem armadas tropas federais com espingardas, facões, foices e enxadas e valendo-se das táticas de guerrilha, como pequenos ataques de surpresa. As derrotas do governo assustaram as autoridades e a população. Destruir Canudos significava salvar a República!

 

A partir de junho de 1897 o cerco foi-se fechando. Em setembro, uma proposta de perdão atraiu muitos seguidores de Conselheiro. Era uma armadilha. Canudos caiu no dia 5 de outubro. O arraial foi incendiado. O corpo de Antônio Conselheiro - morto alguns dias antes - foi desenterrado e degolado. A cabeça do beato foi enviada a Salvador. Ali serviu para enfeitar a ponta de uma lança durante um desfile militar.

20/12/05

 

 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

©HistóriaMais 2005/2014    Política de Privacidade     historiamais@historiamais.com