Conteúdo

Home

História Geral

História do Brasil

Atualidades

Cultura

Biografias

Curiosidades

 

Cronologia

Brasil

Mundo

 

Calendário

Datas Comemorativas

 

Links

Enem

Fuvest

Prouni

Mec

Une

 

 

 

 

 

 

 

História do Brasil

Os Sambaquis

Os vestígios arqueológicos encontrados em várias regiões do Brasil - sambaquis ou concheiros, objetos de barro e de pedra, pinturas em cavernas etc. - constituem ricas fontes de informação sobre a vida dos grupos humanos que aqui viveram antes da chegada dos portugueses, em 1500.

Durante muito tempo se pensou que os casqueiros do litoral eram apenas um amontoado de conchas trazidas à costa pelas marés. Com a destruição de alguns deles para fins industriais e até para construção de estradas, descobriu-se que eram lugares arqueológicos, onde habitavam povos nômades que ali viveram em várias épocas.

Com a elevação do nível do mar, ao nível que conhecemos hoje, há cerca de 6 mil anos, o litoral que se estende do atual estado do Espírito Santo ao Rio Grande do Sul passou a ser ocupado por povos que se alimentavam de frutos do mar. Embora também caçassem pequenos animais (macacos, antas, gambás, tartarugas, por exemplo) e coletassem frutos silvestres, esses povos comiam principalmente peixes e moluscos (ostras, mexilhões, berbigões etc.). Como essa fonte de alimentos nunca se esgotava, permaneciam durante milênios no mesmo lugar, perto da praia e, de preferência, próximo de algum rio.

  As conchas dos moluscos eram abertas no fogo e abandonadas no local, acumulando-se ao longo do tempo. O consumo era tão grande que as conchas acabaram formando pequenas montanhas - chamadas sambaquis.

  Esses povos ficaram conhecidos como "povos das conchas" ou "povos dos sambaquis". Sambaquis, é uma palavra  de origem tupi-guarani (tamba=concha e Ki=depósito).

Os sambaquis foram sendo construídos, em sucessivas camadas, por diversos grupos humanos que habitavam vários pontos do litoral brasileiro, especialmente no sul do país. Os concheiros têm em média de 2 a 20 metros de altura e os maiores chegam a ter 100 metros de diâmetro, sendo que os mais antigos datam de 10000 anos. Cavando o interior dos sambaquis, os estudiosos puderam reconstituir a época em que lá habitaram os vários grupos, como construíram suas cabanas, como enterravam seus mortos, e sua alimentação, feita especialmente de peixes e outros frutos do mar.

Este tipo de vida, própria dos coletores de mariscos, foi encontrado não só no litoral sul e sudeste do Brasil, mas também, nos Estados Unidos, no Peru, no Chile e em regiões ao longo da Cordilheira dos Andes.

Certas ossadas encontradas comprovam também uma grande semelhança física com os povos da Patagônia. Eram baixos - o homem com 1m63cm e a mulher com 1m52cm; muitos de seus dentes eram desgastados até a gengiva, o que mostra que eram usados para abri conchas e mastigar raízes duras. Viviam em grupos pequenos, não ultrapassavam 100 pessoas por área.

 Os povos dos sambaquis viveram, principalmente entre 5000 e 2000 anos atrás. Foram desaparecendo quando começaram a ser desalojados pelas tribos de índios Tupi-Guarani, vindos do interior.

  Quando morreu, entre 5 e 3 mil anos atrás, o dono deste crânio (Museu do Sambaqui, Santa Catarina) tinha entre 25 e 35 anos.   Para os padrões da época era um ancião. Apesar da idade avançada, esse homo sapiens, do sambaqui da Enseada I, ainda conservava quase todos os dentes. Isto porque sua alimentação era muito saudável e rica em cálcio, graças aos peixes e moluscos que comia.

crânio/sambaqui

20/12/05

 

 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

©HistóriaMais 2005/2014    Política de Privacidade     historiamais@historiamais.com